Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009

piercing no português

"Temos em Portugal, cada vez mais, lacunas crónicas no campo da educação e da cultura. E isso tem reflexos óbvios na nossa produção de canções. à conta do falso estigma «o portuguÊs é uma língua difícil» instalou-se uma inépcia generalizada no que toca a musicar as palavras e as expressões simples do nosso idioma.

se a música é uma mão à qual há que calçar uma luva que é a letra, eu diria que produzimos muitas luvas com seis dedos, ou só com três, ou até com os cinco, mas escusadfamente largas ou apertadas. O nosso estoque de luvas justas em mãos elegantes é, infelizmente, curto. Com isto que sofre é o nosso património musical cujo conteúdo, salvas as devidas excepções, vai ficando mais pobre. Quando peço aos meus alunos um título de um clássico portuguÊs - um «Chico Fininho», um «Deixa-me Rir» - escrito depois do ano 2000, segue-se sempre um silêncio desconfortável. Se não fossem as elenovelas (que têm estado a fazer serviço público, substituindo a rádio e o resto da TV), o repto quase que ficava sem resposta.

Enquanto isto, do outro lado do «rio», os nossos irmãos brasileiros somam e seguem! Chega continuamente aos meus ouvidos a produção absolutamente luxuriante de novos artistas e novos autores transbordando a verve; luvaria chique! Enquanto nós nos afastamos da língua, abusando de anglicismos saloios, eles entram por ela dentro: penetram-na, possuem-na! Eu costumo dizer que os brasileiros amam a nossa língua - e transam com ela. Todos os dias!

Eu pedia desde já aos crânios que detêm a pasta da educação - e aos da cultura, também - uma atenção muito especial neste particular: os infantes portugueses estão a passar directamente da chucha para o ecrã e, na escola, em casa e na vida, não estão nem a ouvir falar! Crescendo assim, sem oralidade, num universo de cristais líquidosem que não exercitam, não dominam e enfim: não possuem o português, como poderão escrever algo que se veja - canções, por exemplo - no futuro?

É responsabilidade vossa - crânio eleitos - actuar perante esta situação. É que estamos a deixar de usar a língua, e isto é muito grave, senhores! Em vez de transar com ela, fazêmos-lhe piercings; traímo-la! Não vos parece que este problema é por demais prioritário comparado com questiúnculas como a colocação de professores ou a direcção do Teatro Nacional? Enquanto os vossos crânios geniais insistirem em bater ao lado, sinto-me com autoridade para vos dar uma lição!" @

 

(texto de Gimba)

para ouvir: Rui Veloso - Loucos de Lisboa
publicado por la vie en long-métrage às 23:55

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

o som de valongo

 

"Como é que se pode fazer música do contra vivendo sem desacatos e sem «overdoses»?

 

 

Já alguém ouviu falar no «som de Valongo? Eu também não. Mas era bom que ele existisse. Era bom que, assim, do meio do nada surgisse por aí - em Valongo, por exemplo - um movimento verdadeiramente radical, uma música visceral, um rock anti-rock!

 

Anti-rock, porquê? Porque fora de Valongo o rock anda muito atinado, muito careta. Para dizer a verdade, fora de Valongo o rock já não tem  nada a ver com rock! Sim: o rock que anda agora aí já não tem nada a ver com o verdadeiro rock - o das rebeliões, das mudanças e das viragens - com o rock «do contra», o rock da revolução!

 

O rock parece que atinou. Parece que casou e teve filhos. Ganhou pança, bebe uísque velho, e estabilizou. Um pouco à laia do que  JP Simões canta em «A Minha Geração». Em suma: o rock envelheceu, e parece que desistiu! Como é possível? Apesar de ser uma música aparentemente «jovem», praticada por jovens, com atitudes supostamente jovens, o rock perdeu a pica, perdeu a tusa, perdeu o tino. Fora de Valongo o rock está um bocejo!

 

Aquela música imprevisível, de momentos e consequências imprevisíveis deixou de existir. Fazer rock fora de Valongo é hoje em dia tão excitante como salivar estampilhas numa repartição de finanças. Tornou-se uma actividade banal. Uma carneirada igual às outras... A aventura de fazer um concerto sem certezas, acabou. A vida dos roqueiros fora de Valongo é tão certinha e previsível como as datas seguidas de um calendário...

 

Qual é a piada disto? Como é que se pode fazer música do «contra» quando, paradoxalmente, por muito que não pareça, se existe «a favor»? Como  é que se pode fazer música «do contra» vivendo sem desacatos e sem «overdoses»? Como é que se pode fazer música «do contra» em concertos com camarinzinhos todos catitas, com bebidas e acepipes e, imagine-se, espelhos? Como é que se pode fazer música «do contra» perante plateias ordeiras, não-fumadoras, pagantes, e politicamente correctas? 

 

E, no estado deplorável em que estão o mundo e as sociedades humanas (e o própio rock!) como é possível não fazer música «do contra»? Como é possível não fazer rock «do contra» ante esta chusma inigualável de políticos «lambe-botas»? Onde estão os profetas de amanhã? Onde estão os teóricos do novo século? Onde está a pulga da revolução? 

 

Está tudo em Valongo, meus amigos. Quando o «som de Valongo» - o rock anti-rock - despertar, o mundo tremerá!" @

 

 (texto de Gimba)

 

 

 

para ouvir: ROCK!
publicado por la vie en long-métrage às 22:43

link do post | comentar | favorito
|

pesquisar

 

Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

recentes

piercing no português

o som de valongo

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

todas as tags

hit counter
dowload hit counter code
blogs SAPO

subscrever feeds